Seguidores

sábado, 16 de junho de 2012

Encontros noturnos de gatos: saiba o que são e como funciona


Alguns gatos participam de reuniões felinas, eventos desconhecidos pela maioria das pessoas. O que há por trás desses encontros ?
Muitos proprietários que mantêm solto o gato sabem apenas parte do que o bichano faz quando dá suas voltas por aí. Alguns felinos, além de caçar, passear, namorar e demarcar território, saem para participar de "reuniões". A versão mais barulhenta desses eventos já foi retratada em filmes e desenhos animados, nos quais vemos diversos gatos reunidos e pessoas irritadas jogando água ou objetos neles para silenciá-los.
Em geral, os encontros entre felinos são feitos à noite. É quando o ambiente está mais tranqüilo e os gatos, mais ativos. Poucos sabem o que de fato acontece nessas reuniões. Para entender melhor o assunto, é importante conhecermos a natureza territorialista dos felinos.

Defesa de território
Os gatos procuram manter afastados os competidores, principalmente os outros gatos, para diminuir a necessidade de disputa por alimentos e por parceiros sexuais. Essa postura territorial é mais evidente nos machos, mas ocorre também com as fêmeas.
Obter os benefícios de ser o dono do território tem seus custos. O gato que o defende, além de precisar de tempo e energia para manter os intrusos distantes, está sujeito a ferimentos resultantes dos conflitos. E o gato agressor, por sua vez, se arrisca a ser ferido e a nada ganhar com isso, se a tentativa de conquista for frustrada.
Assim, em alguns casos, os gatos preferem se tolerar e compartilhar o mesmo território a ficar brigando por ele.

Elite com circulação livre
É nas reuniões que os gatos de um mesmo território se mantêm em contato. Desses encontros só participam vencedores. Os mais fort es, os bons de briga e os corajosos formam um grupo cujos "sócios" se concedem a regalia de circular pelo território comum, sem ser hostilizados um pelo outro.

Resistência a novatos
Como além de sócios esses gatos são competidores, para eles quanto menor for o grupo, melhor. Por isso, os gatos visitantes são mal recebidos. A rejeição começa com intimidações para o recém-chegado perceber que a área já tem dono. A maioria entende o recado e vai logo embora. Mas se algum gato visitante insistir em permanecer, a intimidação evolui para tentativa de expulsão. Nesse estágio, o novato poderá apanhar, levando mordidas e unhadas de um ou mais gatos.
Se depois de tudo isso, o pretendente insistir em continuar na área, poderá ser aceito pelos membros do grupo. Mas não necessariamente. Se a aceitação não vier, o gato novato terá de fugir constantemente dos gatos do grupo.

Expulsão de membro
Fazer parte do grupo não é garantia de que a posição está assegurada. Pelo contrário. Se alguns gatos suspeitarem que um dos sócios está enfraquecido, poderão aproveitar a ocasião para atacá-lo e, quem sabe, expulsar o colega e adversário.
Com a finalidade de evitar essa situação, os gatos tendem a disfarçar quando estão machucados ou sentem dores. Muitas vezes, enquanto não estão bem, se escondem para não mostrar fraqueza nem ter de duelar. E só voltam às reuniões depois de estarem recuperados, sentindo-se em condição de defender a posição deles.
O gato que retorna do pet shop perfumado e com lacinho pode entrar em apuro se for membro de uma dessas sociedades felinas. O cheiro e a aparência diferentes podem ser interpretados como uma fraqueza, possivelmente uma doença. Ao desconfiar de que ele esteja enfraquecido, os demais gatos poderão começar a desafiá-lo. Se o nosso gato estiver bem e for bom de briga poderá reconquistar o espaço, mas ficando sujeito a voltar para casa com arranhões e feridas.

Escassez e atritos
A escassez de alimento ou de fêmeas no cio pode aumentar os atritos durante as reuniões felinas. Nessas ocasiões, os gatos ficam mais dispostos a se arriscar para conseguir a diminuição da quantidade de competidores, e podem tentar expulsar alguns membros do grupo.

Apego entre gatosNem sempre um gato considera outros gatos como rivais ou competidores. Algumas raças, como é o caso do Persa, tendem a ser mais amigáveis. Exemplares que cresceram juntos, principalmente onde não há escassez de alimento, costumam desenvolver apego. Esse laço é, em geral, mais forte nos gatos castrados já que os hormônios sexuais aumentam a incidência das disputas, principalmente entre os machos.
Fonte: .cão cidadao

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Recent Visitors